Rafael Zafalon
A poesia e a arte sublimam o caos!
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato Links
Textos
Curioso pensar nos caminhos das artes, mais ainda seria a tentativa frustrada em classifica-los – Seriam os primeiros crayons, seus primeiros rabiscos?
Élon Brasil é a ressignificação de muitos caminhos, contidos, porém nada silenciosos.
 
Os esfregaços testemunham o contato entre matéria e memória, criador e criatura. Urucum, betume ou o óleo, desfiguram as materialidades convencionais e catalisam certo misticismo sobre os retalhos agregados.

Revisitando a poetisa inigualável, “como uma nova invenção”, o autodidata de Niterói apaixona e emociona seu público, fazendo da miscigenação seu triunfo conceitual. São as praças cheias de músicos e dançarinos no Pelourinho, os povos indígenas do Brasil e seus fluxos descendentes na capital paulista se contrastam em suas pinturas.

Ao concluir que "O Brasil é o museu do Índio", Millôr Fernandes reconstrói a identidade costurada pela obra de Élon, onde o selvagem não é quem vive na natureza, mas quem a destrói.

Acreditando nas expressões artísticas em seu poder político, educador e humanizador, admiro os talentos natos, na vocação estimulada pela prática. Élon Brasil é, na opinião deste crítico, um dos maiores pintores da atualidade.
Rafael Zafalon
Enviado por Rafael Zafalon em 13/04/2020
Alterado em 13/04/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários